A FOTOGRAFIA ZEN – de Araquém Alcântara

12030530_10206593231741759_5719842991481965299_o

“Que a intenção do ato fotográfico aconteça simultâneamente com a decisão.
Os exercícios (meditar, orar, caminhar em silêncio reparando nas formas e nos espaços vazios…) exigem uma grande dose de paciência e resignação diante de resultados infrutíferos. Mas, uma vez que sejam bem sucedidos, desaparece o último vestígio do empenho.
Nesse estado de desprendimento (sem propósito a alcançar) surge uma atitude (a câmera age por si mesma; a espada maneja-se a si mesma).
No tiro com arco, se diz que algo faz a pontaria e acerta. Também com a câmera, algo substitui o eu, valendo-se da aptidão e habilidade adquirida pelo fotógrafo (espadachim) com seu esforço consciente.
E também aqui esse algo designa um poder que não se pode compreender e nem se impor pela razão, pois só se revela a quem o haja experimentado.
O fotógrafo sente uma grande diferença entre uma foto apreendida com técnica e esforço e aquela foto que acontece muito raramente, quando todo o seu ser percebe que foi muito além da habilidade técnica, que capturou sem pensar a perfeição da arte.
O sábio Takuan ensina: assim, tudo é um vazio. Você mesmo, a espada que é brandida e os braços que a manejam. Até a ideia de vazio desaparece. Desse vazio absoluto desabrocha, maravilhosamente, o ato puro.
Como se pode espiritualizar uma habilidade técnica? Como converter o domínio soberano da técnica em puro ato do espírito? A resposta é que o díscipulo, o aprendiz, só progredirá se se desprender de toda intenção e do seu proprio eu. Na fotografia, o adversário é a razão, o excesso de técnica, a pressa, o olhar condicionado, a preocupação em fazer a grande foto, os malabarismos visuais…
Essa sinceridade do diálogo entre observador e coisa observada é extremamente rica e por mais difícil que pareça, de repente acontece: a flecha é disparada por si própria, ela não conduz mais a intenção do atirador
O maior problema de cada um dos caminhos é conseguir levar o aprendiz ao ponto de onde ele pode começar. Como dizer ao aluno o que significa captar o espírito criador a partir de palavras?
Num dos livros de cabeceira de Henri Cartier Bresson “A arte cavalheiresca do arqueiro Zen”, de Eugen Herrigel, essa é a questão que acompanha a história de sua própria experiência como discípulo de um mestre japonês do tiro ao arco.
Herriguel passou cinco anos tentando encontrar a maneira certa de soltar a corda do arco, pois isso deveria ser feito “não intencionalmente”, do mesmo modo que um fruto maduro rebenta a casca. O seu problema consistia em resolver o paradoxo de praticar incessantemente sem nunca “tentar”, e em largar a corda esticada, sem intenção. O mestre incitava-o a que continuasse a trabalhar e, precisamente ao mesmo tempo, a que nao fizesse qualquer esforço. A arte não pode ser aprendida a não ser que a flecha “dispare por si só”, a não ser que a corda seja solta “wu-hsin” e “wdu-nien”, isto é, sem “mente” e sem bloqueio, ou “escolha”. Após todos aqueles anos de prática chegou um dia em que a coisa simplesmente aconteceu- como, ou porquê, nunca Herriguel pôde compreender
Isto deve acontecer na aprendizagem da fotografia, do escrever ou pintar. A câmera deve agir por si própria, o pincel deve desenhar por si próprio. Isso significa que o aprendiz deve praticar constantemente… mas também não poderá suceder se o aprendiz fizer esforço. Do mesmo modo, na esgrima, o combatente não deve escolher primeiro um determinado bote e depois tentar dá-lo, visto que nesta altura, será já demasiado tarde.
Decisão e ação (de fotografar) devem ser simultâneas. A ação não pode ser racionalizada, não se pode querer nada, não deve haver intenção de glória ou sucesso.
O mestre de Herrigel não queria que este misturasse os dois estados de esticar e soltar o arco. Aconselhou-o a que o esticasse até o ponto de maior tensão e a que parasse aí sem qualquer propósito na mente quanto ao que deveria fazer a seguir. Assim também, na maneira de ver o za-zen, devemo-nos sentar “só para nos sentirmos” e não deve existir qualquer intenção de alcançar nada.
Devemos olhar, contemplar e reparar sem pressa. Sem a busca da captura fotográfica. Apenas ver ,absolutamente envolvido, entregue. De repente, a escolha acontece. O clic acontece. E pode ser, que neste momento,o espírito criador em movimento se revele.
Ato absolutamente individual, prazer absolutamente único.
Pureza da mente é o que devemos buscar
A imagem capturada assim guarda uma força incrivel.
O observador, ao entrar em sintonia com a obra, transforma-se a si próprio, o autor se transforma, a obra se transforma. E o agente de tudo isso é aquele que vê, sem lugar para onde ir. Chegar a algum lugar é estar morto. Como diz o bruxo João Guimarães Rosa, o real está na travessia, não na chegada.
Alcançar um resultado o mais depressa possível não tem nada a ver com a arte, com a fotografia. Isso torna o mundo sem substância. Os pontos de chegada são demasiadamente abstratos, demasiadamente euclidianos para se poderem apreciar, é quase como comer as extremidades de uma banana, desperdiçando o conteúdo.
Como no zen, não há fim a alcançar, é uma viagem com o coração.
O zen é uma libertação do tempo. Se abrirmos os olhos e virmos claramente, se torna óbvio que não há outro tempo a não ser este instante , este “eterno agora”, que o passado e o futuro são abstrações, sem qualquer realidade concreta.
Ao “espiritualizar”o ato fotográfico nos libertamos do banal, nos tornamos mais inventivos e nos aproximamos da verdadeira luz da realidade, do estado criador puro.
Esse é o mote: para mim só existe um caminho, o caminho do coração, e nele eu viajo, viajo, olhando, olhando…sem fôlego.”
Notas para o GUIA ARAQUÉM ALCÂNTARA